Missa do Vaqueiro, a maior expressão de fé do sertão

Carlos Laerte (Fotos e texto)

Um encontro do povo sertanejo com a fé e a cultura da pega de boi, do pastoreiro do gado, do aboiador e do forró pé de serra.

Petrolina subiu ao altar neste domingo (30), para realizar pela octogésima segunda vez, a Missa do Vaqueiro.

Vindos de todas as partes do município, os vaqueiros, trajados com suas roupas de couro e montados nos seus cavalos, chegaram às margens do Rio São Francisco, logo nas primeiras horas do dia.

Em frente ao palco, uma pausa para fazer o sinal da cruz e em respeito a celebração carregada de emoção e muitos significados.

O Quinteto Violado, que está em atividade desde 1971, começa a celebração relembrando canções, a exemplo de ‘Vaqueiro, meu irmão vaqueiro’, de Janduhy Finizola, um dos fundadores do grupo. Daí em diante, o incenso da igreja, que reforça a transcendência da Missa, ligando o céu à terra, se mistura com o cheiro do couro, a mão forte do vaqueiro, sua dor e esperança. O padre José Guimarães, também conhecido como Padre Vaqueiro, inicia a liturgia religiosa sob as vozes do coral Terço dos Homens da Cohab Massangano, dos aboiadores Edvaldo,  Arnaldo e Jocélio Vaqueiro.

E, depois de ouvir e repetir as preces e benditos, os fiéis encourados compartilham, no ofertório, do momento mais antológico: sobem montados ao altar e entregam os utensílios do dia-a-dia para a benção do padre e louvor ao trabalho nas caatingas. A Missa do Vaqueiro, evento, que encerra o ciclo junino da cidade, é a maior expressão de fé do sertão.

Verifique também

Raquel Lyra em alta na disputa pela prefeitura de Ipubi; os três concorrentes integram a base da governadora

A governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), vive momento excepcional na cidade de Ipubi. Os …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *